“Esses prazeres violentos têm finais violentos”

Que WestWorld é uma das séries mais promissora dos últimos anos, isso todos já sabemos. Desde sempre o canal HBO gosta de investir pesado em muitas das suas séries, com o intuito de transformar alguma delas em uma espécie de “carro-chefe” do canal, já vimos isso acontecer com “Six Feet Under”, “The Sopranos”, “True Blood” e atualmente com o maior hit deles: “Game Of Thrones”. WestWorld não deixa nada a desejar no quesito qualidade e com essa palavras eu abro as primeiras impressões com a premier do seriado e não preciso comentar que terá spoilers, né?

Primeiras impressões

Todos os vídeos e imagens que haviam sido liberados pelo canal, ainda lá em meados de 2017, não deixava nada claro sobre que rumo a série tomaria. A primeira temporada havia marcado muitas pessoas pela quantidade de reviravoltas e um dos maiores plots finais da histórias da séries foi entregue para aqueles que permaneceram fieis até o fim.

Bernard esteve mais tempo presente em cena, do que todos os outros personagens. Me arrisco a dizer que assim como em Game Of Thrones, a série buscou dividir seus muitos personagens em duplas e trios, para alimentar melhor a distribuição da narrativa. Na primeira temporada esse estilo de desenvolvimento estava começando a encaminhar, mas o que nós não esperávamos era que as linhas temporais estavam em ordens diferentes, formando uma espécie de quebra-cabeça que deixou muita gente sem entender o verdadeiro significado do labirinto.

As facetas de WestWorld se manteve durante todos os episódios da temporada anterior, já no piloto era possível perceber a natureza do rumo que a história seguiria, seja pela foto encontrada pelo pai de Dolores, como nas cenas em que a própria se via em duas situações ao mesmo tempo. Desde os pequenos atos de lembranças de Maeve, como no que se iniciava da jornada de William e Logan. Tudo sempre esteve ali, não de maneira mastigada como a maioria dos outros shows gostam de nos apresentar. WW é uma série feita para pensar, mas principalmente feita para ser teorizada em suas diversas nuances.

Nessa premier também tivemos o prazer de ver um lado totalmente novo da nossa antiga doce e serena Dolores. Aqui ela está totalmente consciente de seus atos e pelo que deixou claro ao Ted, pretende explorar um mundo além do que eles conhecem. Isso pode ser uma forma interessante de manusear esse lado da história, com esse episódio já deu para perceber que muitas outras linhas do tempo estão correndo para nos confundir e palpito que dessa vez a trama da Dolores não será a única a ser explorada.

Por falar nisso, temos que saldar a brilhante presença da atriz Evan Rachel Wood, principalmente na cena onde ela possui um monologo agridoce, que pela primeira vez na série, nos deixou um tanto pensativos sobre o futuro que essa “liberdade de consciência”, vai trazer ao nossos anfitriões.

Durante muito tempo nós sentimos aquela empatia pelos robôs e seus sofrimentos irreais que nos foi apresentado, mas de certo modo era reconfortante saber que as memorias eram apagadas, seus corpos reconstituídos e a vida seguia. Nada muito diferente do que fazemos em jogos de vídeo game.  GTA é um exemplo muito bom para se comparar com WestWorld, nesse jogo nós manifestamos ações que seriam julgadas como erradas e sujas na vida real, mas até que ponto esses desejos manifestados fogem da nossa natureza? WW trás essa questão com a temida revolução das máquinas que vem acontecendo cada vez mais rápido na nossa sociedade, a robô Sophia que o diga.

Por outro lado também tivemos a marcante presença de Maeve nas telas, ela se mostrou bem mais segura de seus atos e ainda totalmente determinada a encontrar sua filha, mesmo quando questionada sobre como as histórias criadas pelos programadores não eram reais, ela teve uma ótima reação, fazendo o humano avaliar que a sua existência também não era real, se mostrando mais viva do que nunca.

Uma das coisas que me deixa muito contente em assistir algo tão grandioso como WW é me deparar com uma atuação impecável do nosso brasileiro Rodrigo Santoro, no papel de Héctor.

Minha teoria, com o que foi mostrado durante alguns minutos dos trailers é que Maeve, junto com Héctor vão explorar mundos jamais vistos pelos nossos visitantes e integrantes do velho oeste. Por que digo isso? Claro, caso você não saiba WestWorld é baseado em um filme lançado em 1973. Na trama a história era um tanto semelhante com o que já vimos no seriado, mas com um fator que eu considero como predominante e que pode ser algo que renderá várias outras temporadas do bebê da HBO. A exploração de outros mundos, mais especificamente, dos Mundos Romano e Medieval, como na cena ao lado, que foi extraída de alguns segundos do trailer oficial da temporada:

A forma como o descrito acima se concretizará, ficou ainda mais palpável, com aquela cena curtinha onde o grupo de busca se depara com um tigre de bengala, totalmente distante do seu local de origem. Isso me fez acreditar que os mundos de alguma forma vão se conectar, dentro do mesmo universo.

Ao restante do episódio, tudo que foi mostrado serviu ainda mais para concretizar os fatos sobre duas ou até mais linhas do tempo presentes aqui. É muito difícil dizer ao certo qual é a atual, mas gosto de acreditar que onde Maeve está são os tempos presentes, assim como na exploração com o grupo de busca, junto com Bernard. Os demais, só com os próximos episódios poderemos saber.

Sobre o homem de preto ou Willian, ainda não sei como chama-lo. Não irei palpitar sobre o desenrolar de sua trama em especial, pelo fato de tudo ser muito confuso desde sempre. Aqui ele se mostrou um grande sobrevivente e ao se deparar com o antigo android de Robert, que ao que tudo indica, até após a morte, ainda nos deixará coisas a serem desvendadas no parque, ou seja muito pano para manga, quando aquela criança fala sobre os jogos esterem apenas começando para Will.

Fato 1: A HBO é aquele canal que ama quebrar tabus, né. Já etá virando algo comum a nudez frontal masculina entre os show dali.

Fato 2: O que aconteceu com a Armistice, que não deu as caras nesse episódio? Me lembro de suas cenas na season finale, aquelas expressões eram realmente de dar medo

Fat 3: Será que em algum momento as tramas entre os personagens centrais vão se encontrar? Não sei ao certo se isso acontecerá nessa temporada, mas caso ocorra será choque de monstro.

E vocês o que acharam dessa ótima premier?

Comentários