“Em meio a vigaristas, guerras de tribos e areia sem fim, Santiago encontra seu único amor verdadeiro, aprende a alquimia e a linguagem de seu coração e, é claro, luta para alcançar seu tesouro”

“Quando você realmente quer alguma coisa, o universo sempre conspira a seu favor.” Esta é uma das principais frases repetidas incontáveis vezes em O Alquimista, e, por mais inspirador e poético que pareça, pode haver alguma verdade nisso. Afinal, eu realmente queria ler algo além de excepcional depois de me arrastar por muita ficção distópica não-original – e o universo me deu O Alquimista.

Apesar disso, o livro de 163 páginas do Paulo Coelho, é uma obra-prima singularmente estimulante. O enredo traz a história de uma missão simples – um pastor espanhol, Santiago, que tem o mesmo sonho continuado de que existe um tesouro debaixo das pirâmides egípcias. Depois de conhecer um velho rei que lhe oferece alguns conselhos e algumas pedras mágicas, Santiago embarca em sua jornada para atravessar o Mediterrâneo e o Saara a fim de encontrar seu tesouro e realizar sua lenda pessoal – um conceito equivalente ao nosso propósito na vida. Em meio a vigaristas, guerras de tribos e areia sem fim, Santiago encontra seu verdadeiro amor, aprende a alquimia e a linguagem de seu coração e, claro, luta para alcançar seu tesouro.

Mas ler esse livro simplesmente por conta de um enredo relativamente atrativo seria como perder a grande maioria da beleza que Paulo Coelho realmente apresenta em sua obra. Com um estilo de escrita sonhador e pensativo, o autor entrelaça no enredo vários conceitos sábios que um filósofo poderia ponderar durante anos. Idéias perspicazes sobre o próprio destino, sobre superar o fracasso, sobre a unidade do universo, são todas as coisas que Paulo canaliza na dicção comparativamente simplista do texto. As descrições são inspiradoras e a escolha de palavras é imaculada, mas na verdade é a profundidade da alma por trás das palavras do autor que giram a magia deste romance.

Essa é uma ótima dica de leitura, não só para fugir da realidade, mas também para entender a realidade. De certo, O Alquimista pode oferecer o melhor dos dois mundos. Os eventos do romance estão apenas no limiar do milagre e o ambiente simplesmente não é o do nosso mundo adolescente monótono. No entanto, o livro também fornece insights e a inspiração que se estende para além do Saara de Santiago e em todas as vidas, seja jovem, velho ou adolescente.

O Alquimista pode não ser o seu livro de ficção regular preferido, mas definitivamente ainda merece um lugar de destaque na sua estante.

A MAGIA QUE PERMEIA O ALQUIMISTA, DE PAULO COELHO
4.5Pontuação geral
CAPA
REVISÃO
DIAGRAMAÇÃO
ORIGINALIDADE
PERSONAGENS
DESENVOLVIMENTO

Comentários