Silêncio foi um dos lançamentos da Editora Galera no ano 2016 e talvez seja um dos poucos livros de fantasia que não tenha uma continuação, e sim, esse fator foi essencial para que eu começasse a leitura, até porque estou acostumada com livros de fantasia que sejam trilogia ou uma série – não queria incluir mais um livro da Mead que eu ficaria esperando uma continuação até o fim da vida, igual Tabuleiro dos Deuses pela Editora Paralela. Em uma breve explicação sobre a minha leitura de Silêncio foi basicamente fora das minhas expectativas, talvez isso tenha feito eu gostar mais do que imaginaria.

Fei vive no alto de uma montanha, em um vilarejo dividido entre artistas e mineradores e todos são surdos. Fei faz parte da “elite” da sua sociedade, ela é uma artista que tem a função de registrar a vida de sua comunidade. Enquanto os mineradores, incluindo um antigo amigo e primeiro amor de Fei, estão tirando o máximo possível de mineiros que existem naquele território para mandar ao Vale Beigu, a comunidade que fica abaixo da montanha, e assim receber em troca alimentos e roupas para toda a população. O sistema estava funcionando e dando certo até certo ponto, por mais que as coisas fossem sempre escassas para o vilarejo de Fei, os mineradores já não estavam conseguindo tirar muita coisa das minas e a maioria deles estavam perdendo a visão. O que impediu Fei de continuar sendo uma personagem passiva foi descobrir que sua irmã Zhang – que era artista – estava perdendo a visão também, isso foi a gota d’água da sua impassibilidade, tudo que Fei até então aprendeu durante toda a vida, não questionar e nem sequer imaginar ir para as terras debaixo… Ela faz. Mas além disso, Fei tem que lidar com uma grande surpresa e que era fora da realidade, sua audição voltando. O que devo elogiar a autora com sua narrativa detalhada durante todo o enredo, por se tratar de uma comunidade em que todos são surdos, não é simplesmente escrever o diálogo e está pronto, inclusive a narrativa de Fei quando começa a ter sua audição de volta, é sensível e faz com que o leitor se aventure em saber como são os sons a partir do ponto de vista da Fei.

O livro é uma mistura de gênero literário, tem toda a aventura que é o processo de Fei e Li  – o seu amigo e primeiro amor – para as terras desconhecidas atrás de respostas e de mais suprimentos para a sua comunidade. Tem o romance e a fantasia, que fica mais como plano de fundo, dando as caras realmente ao final do livro relacionada a uma mitologia chinesa, que até então eu não conhecia ou muito menos li tal mitologia em outro livro. Por mais que eu estivesse esperando um livro bem mais situado na fantasia, não consegui não gostar da história, talvez isso desanime futuros leitores que estão a procura de algo mais elaborado. Sobre a personagem principal, talvez ela seja um pouco sem sal no começo da história mas com o passar das páginas ela se torna uma personagem corajosa e perseverante.

Não foi a primeira vez que tive contato com a escrita da Mead, ela de fato é uma autora criativa – pelo menos nos dois livros que li dela. Mas esse foi o meu primeiro livro lido com personagens surdos e um ambiente fantástico diferente dos que eu já conhecia. A leitura é válida para quem gosta dessa mistura de gênero, romance e pinceladas de fantasia e que talvez queira conhecer a escrita de Mead antes de se jogar nas suas diversas séries.

A AVENTURA AO DESCONHECIDO EM "SILÊNCIO"
4.8Pontuação geral
CAPA
REVISÃO
DIAGRAMAÇÃO
ORIGINALIDADE
PERSONAGENS
DESENVOLVIMENTO

Comentários